Arquivo da tag: Rodrigo Nemo

Dois Lobos: pág. 01

Abaixo, a primeira (de 24) página do roteiro. No link, o produto do trampo de Rodrigo Nemo.

Página 1;

Nada inovadora. Nestes 6 painéis fazemos uso do pdv (ponto de vista)de Andrade, um dos protagonistas.

Painel 1;
O que vemos é uma casa em um bairro suburbano com muro alto e portões de ferro batido. Através do portão da garagem podemos ver um carro guardado. Não há ninguém na rua apesar de o dia estar começando a clarear. Ao responsável pelas letras: considere o uso de fontes diferentes para os monólogos internos dos personagens que se alternarão na narrativa. Os monólogos aparecerão como recordatórios, os retângulos usados para texto quando os personagens não estão dialogando, feito?

RECORDATÓRIO: Lembro de ter entrado na cela.

Painel 2;
Ainda usando o pdv de Andrade, vemos sua mão direita empurrando o portão de ferro menor e temos uma visão parcial da fachada da casa. Pense numa estrutura sóbria para combinar com a personalidade lógica do sujeito.

RECORDATÓRIO: Ouvi a porta bater e o ruído metálico da tranca se fechando.

Painel 3;
Dentro da casa. Organizada, muito organizada. Exceto por um ou outro item ou peça de mobiliário derrubado ou posto fora do lugar por uma pessoa (ou coisa, tenhamos esperança) que saiu às pressas.

RECORDATÓRIO: Depois disso silêncio, vazio, escuridão…

Painel 4;
Chegamos num corredor terminado em uma escada que leva ao porão.

SEM TEXTO

Painel 5;
Ainda estamos no topo da escada, ainda usamos o pdv de Andrade, de cima para baixo. A porta da cela que se encontra ao pé da escada está aberta.

RECORDATÓRIO: …a espera… a contagem regressiva para o ataque que não veio.

Painel 6;
Dentro da cela, depois de passarmos pela porta aberta, vemos as paredes de tijolo nu, arranhadas em alguns pontos, em outros escavada até o concreto armado que forma a segunda camada da parede. Pedaços de roupas rasgadas no chão.

RECORDATÓRIO: Ao menos não quando imaginei.

RECORDATÓRIO: Esta é a chave:

TUMOR


depois de um tempo sem por as mãos num gibi em hardcopy, cedi à tentação e comprei Tumor, de Joshua Hale Fialkov e Noel Tuazon. claro que isso não foi antes de ler o 1º capítulo online e o roteiro de outros dois disponíveis num desses sites interessados em mostrar como-se-faz-hq.

TUMOR foi a 1ª história em quadrinhos a ser elaborada pro Kindle, aquela traquitana de leitura digital, e foi vendida em fascículos, serializada em 7 partes, algo parecido com o que se fazia na época de Dumas pai, sem, é claro, o suporte do jornal.

o título já entrega parte da trama: Frank Armstrong, detetive particular, tem um tumor no lobo frontal do cérebro e, como consequência, sofre de problemas cognitivos. leitores sabedores das convenções do gênero detetivesco hão de lembrar que pancadas na cabeça – das que deixam o protagonista desacordado (sem os aborrecimentos da concussão, hematoma subdural, perda de memória ou lesão cerebral genérica) – são de lei.

a porrada na cabeça de Frank é dada por suas próprias células que crescem de modo desordenado e sem necessidade e não por um agente externo qualquer. é uma pancada bem mais definitiva e, como tinha de ser, inoperável.

o modo como esse crescimento afeta a percepção de Frank é interessante e baseado nas pesquisas do roteirista: o tempo se torna fluído, o corpo sofre ferimentos sérios mas os receptores de dor já não funcionam tão bem e assim por diante.

a ação oscila entre o presente e o futuro imediato, começando pela contratação de Armstrong por Gibson, chefe criminoso local que quer encontrar a filha desaparecida, e salta, a partir da primeira crise, para o despertar de Frank no hospital e o diagnóstico inevitável.

a partir daí a trama se adensa, descobre-se que Evelyn, a filha de Gibson, não desapareceu simplesmente, e passamos a ver flashes do passado que nos ajudam a descobrir como Frank Armstrong veio a ser a ruína que é e o que o motiva a tomar as atitudes que toma.

leitura de primeira.

e falando em quadrinhos digitais, a Quadrinhópole Digital Comics publicou recentemente a curta TERRIER: SORRIA, VOCÊ, com arte de Rodrigo Nemo e texto meu. vá conferir… se quiser ou algo assim.

Terrier

copia1_copy_terrier

isto aí em cima é o que acontece quando alguém altamente motivado desenha. neste caso, o Rodrigo Nemo, a partir de um daqueles roteiros de minha 1ª fase. só pra cê ter idéia de como era:

TERRIER EM: SORRIA, VOCÊ…”

Abs Moraes.

Página 1;

3 tiras e 5 painéis.

Painel 1;

Os 3 primeiros desta página têm requadro de tevê e estão na mesma tira pois são telas de captação e reprodução de imagens num desses equipamentos modernos, digitais, montado dentro de um furgão. Pois bem: Joseildo, vítima oficial dessa, anda pela calçada numa rua movimentada. Dê um jeito de destacá-lo da multidão. Talvez isso ajude: ele é o clichê do nordestino (em tempo: lembre que sou baiano, portanto nordestino, portanto não há preconceito na descrição) que aprendemos a amar e se veste de modo típico, sem conseguir se desvencilhar do ranço de breguice que lhe é inerente. Em resumo: usa camisa florida e calça clara apertada demais. Pesquise o Tiririca no google images se quiser uma referência fotográfica.

SÉRGIO(OFF PANEL): É ESSE AÍ.

EDU(OFF PANEL): TEM CERTEZA? NÃO QUER ESPERAR MAIS UM POUCO?

Painel 2;

Requadro de tevê. Aproximamos de Joseildo, fechando dos ombros pra cima.

SÉRGIO(O.P.): NÃO. O CARA É PERFEITO. ELE TEM CARA SONSA E JEITO ESQUISITO. O POVÃO ADORA QUANDO ESSE TIPO SE FODE.

EDU(O.P.): É. É… ELE TEM BEM ESSA EXPRESSÃO DE NADA, QUE SE VÊ EM TODO LUGAR.

Painel 3;

Requadro de tevê, abrimos a imagem e mostramos um beco lateral próximo do lugar onde Joseildo se encontra. O beco não é escuro, mas tem sombras e iluminação artificial. Saindo dele, Ana…

SÉRGIO(O.P.): FALA PRA ANA ENTRAR EM CENA.

EDU(O.P.): OK, ANA. PROSSIGA. O ELEITO É O BAIANO DE CAMISA FLORIDA.

Painel 4;

Requadro comum, tira do meio. Isso. De um lado ao outro da página. Cê assistiu “Corra, Lola, Corra”? Imagine uma daquelas cenas com Lola correndo, de perfil para o espectador, cabelos em movimento, tudo isso muito rápido… nossa personagem, Ana, está numa situação similar. Ela corre da esquerda prá direita ou vice-versa, não importa.

SEM TEXTO.

Painel 5;

Última tira, também com requadro normal que fica fixo de agora em diante, até, digamos, a página 7, quando repetimos a estrutura da página 1. Em primeiro plano, Joseildo, andando normalmente, de frente para o leitor. Ao fundo, Ana correndo à toda em direção às costas de Joseildo e

 SEM TEXTO.